TEXTO

Texto centésimo quarto

A Poesia ilumina-nos; sem ela gritamos os terrores do escuro. A Poesia tinge-nos de todas as cores; sem ela definhamos numa imbecil monocromia. A Poesia lava-nos a alma; sem ela...
TEXTO

Texto centésimo terceiro

Sempre andou sozinho. Ensimesmado, de poucas falas, desde a adolescência o apontaram como antissocial, acusavam-no de sobranceria nas relações, diziam que era seletivo nas amizades e egoísta nas conversas. Não...
TEXTO

Texto centésimo segundo

O meu Natal é um silêncio de sonho. Repouso de areal desejado pelas ondas revoltas, quietude de dunas. E uma hibernação de paz, ânsia calada à espera. Intimidade. Deus em...
terra
TEXTO

Texto centésimo primeiro

Texto centésimo primeiro Sou da terra. Sou do barro, brutalidade pura em que fui modelado pelo sopro que me anima. Pertenço ao chão que me tem, elevo-me no ar que...
texto sexagésimo
TEXTO

Texto sexagésimo quinto

Texto sexagésimo quinto Quero louvar-te, deus de todos os nomes e de todos os credos, da humanidade inteira e de todos os seres, da natureza viva e inanimada, de todo...
TEXTO

Texto décimo sexto

Texto décimo sexto Jogava às damas com o avô desde a infância. Sem o saber, foi crescendo naquele ritual de aprendizagem da vida. O avô era um homem repleto, trémulo...
TEXTO

Texto décimo segundo

Texto décimo segundo A adolescência despontou bizarra dentro dele. Nunca se lhe esbugalharam os olhos diante das formas curvilíneas das raparigas sobre quem, de resto, exercia o curioso fascínio de...
TEXTO

Texto quarto

Texto quarto Paz interior. Aquilo que o escritor não tem. A superação dos dilemas, o equilíbrio das forças em braço de ferro, a reconciliação dos fantasmas eternamente beligerantes, ou a...